sexta-feira, 30 de abril de 2010

Vislumbre catastrófico

 
Isso é algo que me entorpeceu praticamente no primeiro momento em que acordei. E acordei já pensativo, querendo logo analisar o que havia sonhado, e porque havia sonhado, e os detalhes do que havia sonhado. Foi uma viagem onírica vertiginosa, e raramente tenho esse tipo de sonho intenso e sufocante. Até cheguei a postar diversos comentários no dia seguinte ao sonho em meu Twitter. Vou tentar aqui em meu blog, com o máximo de lembranças possíveis e detalhes relatar esse sonho estranho, sinistro, catrastófico.
Até onde consigo lembrar, puxando cuidadosamente pela memória detalhista, o sonho começava comigo andando por um pátio de uma escola, ou faculdade, onde eu já havia estudado. Bom, pelo menos no universo do sonho, eu já havia estudado ali, e era um pátio meio semelhante ao pátio da Uesc, conhecida universidade do Sul da Bahia. Eu caminhava e então ficava sabendo que um grupo de pessoas estavam fazendo pesquisas referente a pequenos abalos sísmicos que estavam ocorrendo em minha cidade. Para ser bem exato, o epicentro dos abalos ficavam no centro, bem no centro de minha cidade. O intrigante é que na cidade do meu sonho, o local do epicentro era justamente o colégio. Só que o colégio ficava em um local onde, na vida real, aqui em minha cidade, funciona um grande hipermercado. Bom, voltando ao âmbito do sonho. Curioso, fui procurar essas pessoas conhecidas minhas que estavam fazendo as tais pesquisas. Logo encontrei entre essas pessoas um conhecido professor de Física aqui de minha cidade, que por sinal ensina em alguns colégios particulares e cursinhos aqui. Em meu sonho, ele e mais outros menos conhecidos estavam pesquisando os abalos em um laborátorio montado bem próximo do epicentro. Mais curioso ainda, fui justamente ao local onde sentiram com mais intensidade os tremores, e então, ao chegar nesse local, observei no chão fissuras e rachaduras que estavam sutilmente se abrindo. Então senti os pequenos tremores, e logo em seguida, de alguns pequenos buracos no chão começaram a jorrar lava derretida. O chão tremeu mais intensamente, e onde eu pisava sentia um aumento excessivo de temperatura. Estava começando a ficar quente, e a terra começava a tremer com mais intensidade. O grupo de pesquisas pediu para que todos saissem dali o mais rápido possível, pois tudo indicava que o chão por baixo da gente iria explodir em um mar flamejante de lava.
Eu comecei a correr, e atrás de mim explosões sucessivas. Construções, prédios, casas, tudo começou a vir abaixo, se despedaçando ao meu redor. Pânico e terror tomaram conta de mim de dentro para fora, uma sensação que nunca senti antes na vida real. Caos no trânsito, carros batendo, capotando por todos os lados, e eu correndo por entre esse cenário caótico, enquanto atrás de mim o mundo explodia. Eu podia sentir o calor da explosão. Olhei para trás e vi tudo indo pelos ares num enorme cogumelo em tons de vermelho e amarelo, confundidos e misturados numa imensa nuvem tóxica que subia aos céus. Então corri, pulando entre os carros, passando por pessoas desesperadas. Atrás de mim uma nuvem grossa, negra, espessa, vinha perigosamente em minha direção, tentando me engolir para a morte fatal. Consegui alcançar a parte da avenida que era uma ladeira, e desci desembestado, desesperado, sem acreditar que tudo aquilo acontecia. Eu consegui escapar da explosão de lava que surgiu de dentro da terra bem no meio da cidade, mas aquele grupo de pessoas não conseguiu fugir a tempo. Morreram instantaneamente. Corri para o mais longe possivel, e só via destruição e terror atrás de mim, e aquela nuvem subindo cada vez mais. O sonho sofre algum tipo de quebra de sequência, e o que consigo me lembrar é de tentar retornar ao ponto central onde tudo ocorreu. Já era noite, e fui retornando depois de horas do terror ocorrido. Havia uma parte da cidade envolvida numa grossa nuvem tóxica. Tentei entrar naquela área, mas não consegui ir muito longe. O ar estava pesado, denso, ardia os pulmões, e sufocava qualquer ser vivo. Voltei atrás. E imaginei como seria que estava tudo próximo ao desastre. Pensativo, absorto naquele pesadelo. O chão praticamente se abriu numa cratera de lava, e a catastrofe foi tão imensa que toda uma área da cidade veio abaixo, tudo cedeu, e foi engolida pelas águas do rio que passava ali próximo. Tudo ficou inundado. Outra interrupção sem lógica, e dias depois eu passava pelo local, creio que estava em um jipe, e conseguia finalmente ver e presenciar a extensão apavorante daquela tragédia. A cidade destruída, como que vitimada por um holocausto. E o rio totalmente fora de seu curso, havia inundado tudo ao redor.
A imagem se desfez diante de mim. Acordei com aquela sensação sinistra do bizarro, de ter presenciado o pesadelo em seu tom mais cru e cruel.
 
© 2013 Contaminação de Ideias. Todos os direitos reservados do autor. É proibida a cópia ou reprodução sem os direitos autoriais do autor Ulisses Goés. Powered By Blogger. Design by Main