quinta-feira, 16 de março de 2006

Tempestades sutis

 

Tempos difíceis, tempos conturbados, acordo sonolento, procuro me arrumar a tempo de poder resolver o que é preciso resolver, mas parece que o mundo ao meu redor travou em algum momento. Todos os dias estão meio iguais, meio similares, e creio que seja até por culpa minha. É difícil compreender o que ocorre com a gente algumas vezes, parece que ficamos inertes num momento estranho de nossas vidas, como que sentado no alto de um penhasco, apenas apreciando a paisagem ao longe, sem muito o que poder fazer de fato, aguardando novas instruções, ou esperando que algo nos sacuda e então a gente acorde e recobre a consciência, como o prenúncio de uma tempestade iminente. Situações fugiram ao meu controle esses dias, como avisos de um possível temporal. Discuti com um jovem amigo meu, que considero muito, e ele, pela idade turbulenta da adolescência mergulhada numa revolta absurda e sem qualquer motivo convincente, parece estar jogando nossa amizade pela janela e dizendo adeus. Ontem discuti com meu irmão, e creio que ele não tenha mais retorno, pelo caminho que está trilhando, se entregando à embriaguez completa, se matando aos poucos. Não reconheço mais ele, completamente um conhecido, uma pessoa a quem nem bom dia mais eu dou.

Esses dias estão nublados, ontem choveu, e hoje o tempo continua fechado. A tempestade está eo redor. Não sei mais realmente porque eu fico aguardando que a tempestade se vá e que o sol volte a brilhar. Eu tenho que realmente acreditar que minhas forças e determinação aparecem justamente neste momento de inércia na qual me encontro temporariamente. O mais incrível de tudo é que justamente nessa época de minha vida acontecem certos milagres, surgem anjos que parece que estão perto de mim para me proteger e não deixar que nada de errado aconteça em minha vida. São pessoas especiais, que nos enchem os dias de alegrias e sorrisos, por mais que os problemas estejam ao nosso redor nos pertubando os pensamentos e desnorteando nosso espírito. De um lado, percebo amizades que eu prezo muito se perderem e se distanciarem de mim de maneira triste. De outro lado, outras amizades que nos mostram que a vida é vivida e sentida a cada momento e feita de situações, pedaços saborosos de sorrisos, conversas, num crescimento maduro e sincero, sem medo de demonstrar o quanto se gosta de alguém. E percebo que minha vida é assim, esse constante sabor de um chocolate de uma doçura meio amarga. Talvez a tempestade não seja de todo ruim. Quem sabe ela sirva para te limpar um pouco mais e mostrar que você ainda encontrará forças no final para poder observar o mau tempo indo embora, se distanciando no horizonte, enquanto você do alto do penhasco, observa o céu abrir.

Chocolate meio amargo

eu amo você, mas você é como um sopro de ventania na imensidão
Não posso te abraçar e você não consegue escutar meu coração
eu quero você, mas você é como uma imagem nítida na tv
eu vejo tua beleza, porém você não enxerga o amor que tenho por você
eu busco você, mas você é como o sol raiando acima das casas
não posso me aproximar muito para não derreter as asas

eu sinto você como se fosse o mundo todo ao meu redor
uma rajada de vento, um programa de tv, um nascer do sol
Você é o significado completo para o sentido de minha vida
E tudo o que tenho é meu amor, minhas asas e meu coração
para buscar estar sempre mais perto de você
e fazer valer cada segundo intenso de minha respiração

meu amor por você é um salto na imensidão.

Ulisses Góes
 
© 2013 Contaminação de Ideias. Todos os direitos reservados do autor. É proibida a cópia ou reprodução sem os direitos autoriais do autor Ulisses Goés. Powered By Blogger. Design by Main