sábado, 10 de fevereiro de 2007

Todas as ondas, todos os trovões

 
Gosto da sensação de estar sempre aprendendo com as pessoas ao meu redor. Isso demonstra que tenho sabedoria suficiente para entender que não sou perfeito e que tenho ainda muito conhecimento a absorver sempre e constantemente, no decorrer de minha vida. Aprendo a ouvir canções que antes não ouvia. Aprendo a escrever cada vez revelando um maneira nova de demonstrar o que sinto. Aprendo a criar poesias. Aprendo que preciso ser sempre mais forte, se quiser superar obstáculos e alcançar novos degraus em minha vida. Aprendo que existem pessoas muito importantes em nossas vidas pelas quais devemos nos preocupar e sempre buscar dar o melhor de nós para que eles possam entender o mundo da melhor maneira possivel. Aprendo com meus erros passados a moldar melhor minhas atitudes presentes. Superar escuridões desesperadoras, esmagar monstros, encontrar a própria resistência diante das insanidades e loucuras do mundo ao seu redor. Diante das friezas e das inutilidades, seguir firme, vencendo os círculos do medo que rodeiam as fronteiras de nossos olhos. Confesso que sinto-me vaidoso em sempre querer explicar a vida, e a minha vida através de palavras poéticas, de poesia e música. Porém, isso me liberta, libera de dentro de mim um poder imenso e invencível, que estremece tudo ao meu redor. A minha espada são minhas palavras, e tenho apenas que estar ciente de que não posso guardar esse poder dentro de mim. Sempre que possível e necessário, aprender a usar minha Zanpakutou*, quando a batalha assim a chamar. Ter a força necessária para nunca fugir diante da guerra, e sempre estar atento ao chamado da minha Zanpakutou, não ter medo de liberar seu Shikai**, e alcançar a força necessária em meu espírito para liberar seu Bankai***.
Hoje posso dizer que sinto orgulho extremo em saber que tenho um afilhado que demonstra um nível de força surpreendente, e que nunca esmorece nem se abate diante de situações desafiadoras na vida. Consciente de seus pensamentos e de seus atos, acredito que ele já tenha atingido um nível de evolução interior que têm superado sempre, a cada dia de convivência com ele, as expectativas de um padrinho orgulhoso e extremamente feliz com o afilhado que ganhou. Hoje, dedico este espaço para versos escritos por ele, uma prova sincera e clara de seu amadurecimento como pessoa. Eu sei que ele guarda em seu coração a certeza de que sempre, e por toda as nossas vidas, ele poderá contar com o apoio, a amizade, a compreensão e o respeito de seu padrinho.

Pairando entre o céu e o inferno

Eu sou um demônio religioso,
Um anjo pecador,
Cientista religioso,
Cristão descrente,
Não amo quem me ama,
Odeio quem me odeia,
Sou homunkulus com alma,
Sou a clara luz negra,
A escura iluminação,
Sou um drácula sentimental,
Sou guerreiro sem espada,
Eu sou a guerra congelada.
Sou um morto-vivo,
Sou a viva morte,
Samurai desonrado,
Um cantor mudo,
Um templário maldito,
Abençoado cavaleiro negro,
Sou o plebeu rei,
Sou o gelado calor,
O gelo flamejante,
Sou o deus dos demônios,
Sou o demônio dos deuses.


Poema escrito pelo
meu afilhado Thalles
______________________
Notas referentes ao texto.
* Zanpakutou:
[literamente cortadoras de almas], no mundo de Bleach, são as armas que os Shinigamis usam para derrotar os Hollows. São espadas, normalmente, mas elas mudam de forma. Cada Zanpakutou tem vida própria, personalidade e força, e quando usadas em conjunto com o Shinigami é que ele pode realmente ser forte.
** Shikai:
Assim que o portador da Zanpakutou apura sua audição ele consegue ouvir o chamado de sua Zanpakutou, que grita seu nome. Se ele souber o nome de sua Zanpakutou ele pode chamá-la, normalmente com alguma frase antes, fazendo com que ela ganhe alguma habilidade especial e tamanho.
*** Bankai: última e mais poderosa liberação da Zanpakutou. Somente poucos conseguem chegar nesse nível, e para se conseguir uma é necessário 10 anos de treino, e mais alguns para dominar totalmente a Bankai.
 
© 2013 Contaminação de Ideias. Todos os direitos reservados do autor. É proibida a cópia ou reprodução sem os direitos autoriais do autor Ulisses Goés. Powered By Blogger. Design by Main